Colunas

Caso Emily: MP/AP oferta denúncia contra policial que cometeu feminicídio





 

Ministério Público envolve-se no caso de feminicídio contra a cabo da PM/AP Emily Karine e afirma que pretende fazer com que o réu, o policial militar Kássio Mangas, seja julgado ainda este ano.

 

A Promotoria do Tribunal Júri do Ministério Público do Amapá (MP-AP) iniciou, nesta terça-feira (28), uma denúncia contra o Policial Militar Kássio Mangas, acusado de feminicídio por matar com quatro tiros sua ex-esposa, cabo da PM – AP, Emily Karine. O fato ocorreu no dia 13 de agosto.

Quem parece estar à frente do caso é o promotor titular da Promotoria do Tribunal do Júri, promotor Iaci Pelaes, que em declaração ao site oficial do MP-AP, afirma que há “uma clara mentalidade machista e violenta contra a mulher, gerando um comportamento absolutamente inaceitável. O Ministério Público vai atuar para que o agressor seja julgado ainda neste ano, para que o mesmo tenha uma punição exemplar”.

Ainda, segundo informações contidas na nota, o próximo passo a ser tomado será a realização da audiência de instrução, ocasião na qual as testemunhas são ouvidas. Na sequência, haverá o interrogatório do réu, e o processo finaliza com o julgamento no Plenário do Tribunal do Júri. Caso condenado, Kássio pode pegar até 30 anos de prisão.

O caso

No dia 13 de agosto, Macapá foi surpreendida pela morte da Cabo da Polícia Militar – AP, Emily Karine de Miranda Monteiro, que foi morta pelo seu então namorado, o policial Kássio Mangas, que cometeu o crime por não aceitar o fim do relacionamento. O crime ocorreu dentro do apartamento em que ambos viviam juntos.

O policial desferiu quatro tiros contra Emily; três sequenciais que atingiram perna, abdômen e peito, e um quarto, que atingiu a cabeça, como revelou a perícia do caso, em coletiva de imprensa na última sexta (24). Kássio responderá por três crimes, sendo eles furto, por ter levado o celular da vítima após cometer o crime; fraude processual, por ter alterado a cena do crime ao levar as cápsulas que caíram da pistola ponto 40; e homicídio, sendo este com quatro qualificações.

A primeira é feminicídio, pois a vítima foi morta por ser mulher; a segunda por motivo torpe, tendo em vista que, matou Emily por não ter aceitado o fim do relacionamento; a terceira por meio cruel, por ter utilizado arma de fogo e deixado a vítima agonizando; e a quarta qualificação por impedir qualquer chance de defesa da vítima, pelo fato de atirar contra Emily enquanto ela estava deitada na cama.

Feminicídio

O feminicídio é um crime compreendido como um ato de ódio contra uma mulher, ocorrendo, exclusivamente, pelo fato de a vítima ser uma mulher. É um crime típico de situações machistas, que envolve misoginia (o ódio contra a mulher), perda de controle pelo homem sobre a mulher, posse e, na maioria dos casos, ciúme excessivo do homem sobre a mulher. A taxa de feminicídios no Brasil é a 5° maior do mundo, segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS).

 Redação