Cotidiano

Segunda remessa com 268 cilindros de oxigênio chega ao Amapá





Agora o amapá aumentou em 20 mil metros cúbicos a sua retaguarda de oxigênio, com 550 cilindros.

A segunda remessa de cilindros de oxigênio para compor a retaguarda do Amapá e evitar desabastecimento no estado chegou na madrugada desta terça-feira, 23, a Macapá. A carga, de 10 mil metros cúbicos em 268 cilindros, foi desembarcada no hangar do Governo do Amapá. A primeira remessa com 282 cilindros de capacidade de outros 10 mil metros cúbicos chegou na segunda-feira, 22.

De acordo com o secretário adjunto de Gestão e Planejamento da Secretaria de Estado da Saúde, Luciano Casali, a chegada destes insumos foi possível depois que o governador Waldez Góes se antecipou a um possível desabastecimento e estabeleceu acordo com a empresa White Martins para o fornecimento total de 582 cilindros e, através de tratativas com o senador Davi Alcolumbre, conseguiu o transporte aéreo até a capital amapaense.

Além da chegada desses cilindros, as usinas de oxigênios de Laranjal do Jari e Oiapoque estão em fase de conclusão e poderão atender as regiões sul e norte respectivamente, garantindo com isso o aumento na oferta de oxigênio para municípios no norte e sul do Estado.

Salto de consumo

Segundo levantamento da Secretaria de Estado da Saúde, antes da pandemia, o estado atendia suficientemente a demanda total com um estoque de 100 mil metros cúbicos de oxigênio por mês. Um ano depois esse consumo subiu quase 70%, passando a 169 mil metros cúbicos/mês.

A chegada desse estoque em cilindros visa garantir atendimento aos pacientes da rede hospitalar estadual e ainda auxiliar os municípios que por ventura sofrerem com a falta do insumo.

“A chegada dessa segunda remessa vai reforçar nosso estoque, com isso poderemos garantir o atendimento as unidades que necessitarem desse suporte para atender os pacientes que precisem deste auxilio. Os municípios tem pouca ou, na maioria das veze, não têm estrutura de armazenamento, diferente das unidades hospitalares do estado, que possuem tanques resfriados. Os cilindros permitem levar o oxigênio até essas unidades que não têm como reservas”, ressaltou Luciano Casali.

 

Fonte: Portal Governo do Amapá - Ailton Leite