Cotidiano

Operação Marraquexe: PF investiga comércio ilegal de animais silvestres no AP





 

Três mandados de busca e apreensão foram cumpridos em Macapá. De acordo com as investigações, suspeitos vendiam animais através das redes sociais.

 

A Polícia Federal (PF) no Amapá deflagrou, na manhã de quinta-feira (10), a operação Marraquexe, cujo objetivo foi combater o comércio ilegal de animais silvestres e exóticos em extinção. Na ocasião, três mandados de busca e apreensão foram cumpridos em Macapá.

Os endereços estão ligados a um homem de 25 anos, ele é suspeito de vender os animais pela internet, através de redes sociais. A operação é resultado de um trabalho em conjunto com o Ministério Púbico Federal (MPF) e do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama).

Nas investigações, os órgãos constataram que o suspeito colocava a venda de répteis de espécies variadas, todas constando na lista da Convenção de Washington sobre o Comércio Internacional das Espécies da Flora e Fauna Selvagens em Perigo de Extinção (CITES).

Dentre os animais vendidos, a Polícia Federal identificou duas espécies oriundas da Venezuela e da Índia. Nas redes sociais, o homem registrava o animal, dava informações sobre a espécie e colocava o preço da venda. Os grupos de vendas eram compostos por brasileiros e estrangeiros.

Segundo a PF, o homem responderá, na medida de suas responsabilidades, por crimes contra a fauna, a administração ambiental e organização criminosa. Caso seja condenado, sua pena pode chegar a 12 anos de prisão, além do pagamento de multa.

Operação Marraquexe

A operação recebeu esse nome devido a uma cidade do centro-sudoeste de Marrocos, onde está localizado a famosa praça Jemma el-Fna, conhecida pela presença dos encantadores de serpente.

 Redação