Política

Bolsonaro diz que comprará vacina Sputnik se Anvisa aprovar uso no país





O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou hoje que vai comprar a vacina russa contra a covid-19 Sputnik V caso ela seja aprovada pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

"Se a Anvisa aprovar, a gente vai comprar a Sputnik. Tem um 'cheque' meu, assinado em dezembro, de R$ 20 bilhões para comprar esse material", afirmou na manhã de hoje, em entrevista transmitida pela CNN Brasil. O presidente deixou o Palácio do Alvorada, em Brasília, para fazer a revisão de sua moto.

Nos últimos meses,aApós fazer críticas à CoronaVac, vacina produzida pelo Instituto Butantan, ligado ao governo de São Paulo, Bolsonaro passou a dizer que compraria qualquer vacina que fosse aprovada pela Anvisa, mas não havia feito menção direta à Sputnik V.

Ontem, o governador do Piauí, Wellington Dias (PT), que coordena o tema de vacinas do Fórum dos Governadores, pediu urgência ao Senado para pautar uma proposta para acelerar a análise do uso da vacina russa no Brasil. O Congresso Nacional deve voltar aos trabalhos deliberativos na semana que vem.

O projeto no Senado é derivado de Medida Provisória que estabelece que a Anvisa deverá autorizar temporariamente o uso emergencial de vacinas já aprovadas pelos órgãos competentes de mais países preestabelecidos, como a Rússia.

A Sputnik V é desenvolvida pelo Instituto Gamaleya, em Moscou, e firmou parceira com o laboratório União Química para produção da vacina no Brasil. A empresa tenta protocolar um pedido de uso emergencial do imunizante, mas ainda não conseguiu. Segundo a Anvisa, faltam documentos como a autorização para a realização dos testes da fase 3 em humanos.

Vacina brasileira

Bolsonaro voltou a citar uma iniciativa do ministro de Ciência e Tecnologia, Marcos Pontes, para financiar o desenvolvimento de uma vacina brasileira contra o coronavírus. Sem dar detalhes, o presidente afirmou que Pontes "está atrás de R$ 300 milhões" para tocar as pesquisas.

"O Marcos Pontes está atrás de R$ 300 milhões para desenvolver a vacina brasileira e, a partir do princípio de que esse vírus veio para ficar, nada como ter uma vacina nossa", declarou.

Na tradicional live semanal nas redes sociais, na última quinta-feira (27), Bolsonaro mencionou que o ministro busca investir numa vacina brasileira, mas também não detalhou o projeto.

Na conversa com jornalistas hoje, Bolsonaro citou dificuldades no Orçamento público para o governo financiar o desenvolvimento de vacinas.

"Isso seria muito bom, mas estamos com problema no Orçamento. As dificuldades são enormes", afirmou.

Bolsonaro disse ainda que uma vacina brasileira contra a covid-19 se faz necessária porque não se sabe ao certo por quanto tempo uma pessoa vacinada fica imune contra o coronavírus.

"Qual a validade da vacina? Eu não sei. Falam em seis meses. Se for verdade, é mais um indício fortíssimo de que teremos de aprender a conviver com o vírus", disse.

Os estudos para determinar o período de imunidade das vacinas ainda estão em andamento. Algumas vacinas que fazem parte do PNI (Programa Nacional de Imuização) têm prazo mais curto, como a da gripe, que é aplicada anualmente.

Fonte: UOL