Política

Doria e Bolsonaro trocam acusações sobre colapso em Manaus





Em coletiva em SP, governador paulista falou em 'genocídio' e pediu reação do Congresso contra o presidente na condução da pandemia de Covid-19. Em entrevista à Band, Bolsonaro chamou Doria de 'moleque'.

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), e o presidente Jair Bolsonaro(sem partido) trocaram acusações nesta quinta-feira (15) a respeito da crise de saúde pública enfrentada por Manaus por causa da pandemia de Covid-19. A capital do Amazonas entrou em colapso, com hospitais sem oxigênio, doentes levados a outros estados e cemitérios sem vagas. 

Doria afirmou que Congresso Nacional e a sociedade civil devem reagir ao modo como Bolsonaro tem conduzido as ações diante da pandemia. Ao se referir aos mais de 205 mil brasileiros que morreram por causa da doença, o governador paulista falou em "genocídio" por parte do presidente da República

Bolsonaro reagiu, chamando o adversário político de "moleque" e dizendo que ele e outros governadores "querem quebrar a economia do Brasil para botar na minha conta".

As declarações de Doria foram dadas em entrevista coletiva no Palácio dos Bandeirantes, sede do governo paulista, na qual ele responsabilizou o presidente pela crise no Amazonas. 

"Li uma manifestação do presidente Jair Bolsonaro dizendo: 'Fiz tudo o que estava ao meu alcance, o problema agora é do estado do Amazonas e da Prefeitura de Manaus'. Inacreditável. Inacreditável. Em outro país, isso talvez fosse classificado como genocídio. É um abandono aos brasileiros", afirmou Doria.

"Está na hora de termos uma reação a isso. Da sociedade civil, dos brasileiros, da população do Brasil, da imprensa, do Congresso Nacional de quem puder ajudar. Ou vamos assistir a isso? Ou vamos assistir a isso por meses e achar que é isso normal, que faz parte e que a ideologia do negacionismo é aceitável?"

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), anunciou nesta sexta-feira, 15, durante coletiva de imprensa no Palácio dos Bandeirantes, na zona sul da capital paulista, o endurecimento das regras de quarentena no Estado a fim de conter o avanço da covid-19. — Foto: VINICIUS NUNES/AGÊNCIA F8/ESTADÃO CONTEÚDO 

Mais tarde, em entrevista à Band, Bolsonaro disse: 

"Agora, vem esse moleque, governador de São Paulo, me acusar de facínora. Seja homem, cara. É duro mexer com quem tem um comportamento como esse cara. [...] Em São Paulo, [há] um governador medíocre, que não sai na rua. Se sair, vai ser linchado", afirmou Bolsonaro.

"O tempo todo querendo acusar a mim, achar um responsável pelo seu insucesso em São Paulo. E parece que está organizando inclusive hoje uma manifestação, um panelaço contra minha pessoa. Baseado no quê? Está faltando coragem, seriedade para esse governador", continuou o presidente. 

Doria acusou 'negacionismo' 

Antes da coletiva de Doria nesta sexta, em comentário dirigido a apoiadores na saída da residência oficial do Palácio da Alvorada, Bolsonaro afirmou que o governo federal fez a sua parte para ajudar o Amazonas

Na entrevista coletiva no Palácio dos Bandeirantes, o governo de SP ofereceu leitos para a transferência de bebês prematuros que estão sem oxigênio nos hospitais amazonenses. Doria disse ainda que a falta de oxigênio para pacientes internados com Covid-19 em Manaus decorre da "opção pelo negacionismo" e da "política caótica" do governo federal em relação à pandemia. 

"O negacionismo [está] dominando o país no governo federal. Um mar de fracasso, colocando como vítimas milhares de brasileiros que perderam a sua vida e outros milhares que podem perder", disse o governador. 

Doria também afirmou: "Tenho a sensação de que o governo Bolsonaro gosta do cheiro da morte, e não de celebrar a vida, pois se quisesse celebrar a vida já teria contribuído com o estado do Amazonas para oferecer condições mínimas de atendimento aos brasileiros que lá vivem. Não teríamos assistido às cenas dramáticas que vimos ontem na TV".

Fonte: G1