Cotidiano

Especialistas dizem que Bolsonaro cometeu série de infrações de trânsito em Macapá





A Prefeitura de Macapá não respondeu ao Painel se multará ou tomará qualquer medida em relação às infrações de trânsito cometidas pela comitiva de Jair Bolsonaro em sua passagem pela cidade. O Amapá chega ao 21º dia de apagão nesta segunda-feira (22).

O presidente trafegou com o corpo pendurado para fora do carro, com um segurança protegendo suas costas, pelas ruas da capital do estado. Especialistas consultados pelo Painel viram uma série de infrações no episódio.

A coluna telefonou e enviou mensagens ao prefeito Clécio Luis (sem partido) diversas vezes ao longo do dia, mas ele não respondeu.

Selma Miranda, diretora-presidente da Companhia de Trânsito de Macapá, disse que não havia visto o vídeo que mostra as infrações. Depois de dizer que mandaria posicionamento, afirmou que a resposta estava em revisão. Por fim, não enviou posição nem respondeu se o episódio seria investigado ou se alguém seria multado, seja o condutor ou qualquer outro dos envolvidos.

Especialistas consultados pelo Painel viram um combinado de infrações cometido pela comitiva de Jair Bolsonaro em sua passagem por Macapá. No sábado (21), 19º dia de apagão no Amapá, o presidente trafegou com o corpo pendurado para fora do carro, com um segurança protegendo suas costas.

Além das transgressões e de possível crime de direção perigosa, os especialistas lamentaram o mau exemplo. A Prefeitura de Macapá não respondeu se multará algum dos envolvidos.

Carregar uma pessoa do lado de fora do carro é infração grave, assim como trafegar sem cinto de segurança. A direção perigosa diz respeito a conduzir colocando a segurança dos outros em risco. É no mínimo infração gravíssima e, em situações extremas, pode gerar detenção. A ação de Bolsonaro pode se encaixar em todos esses casos, dizem os especialistas.

"60% dos leitos de UTIs são, via de regra, ocupados por acidentados do trânsito. Em contexto de pandemia, em que essas vagas são preciosas, esse tipo de comunicação é muito danosa", diz Pedro de Paula, coordenador executivo da Iniciativa Bloomberg de Segurança Viária Global.

Ele avalia que uma multa poderia ter importante valor simbólico nesse caso.

"Do ponto de vista estratégico, se tiver uma sanção pro motorista é simbolicamente positivo para a população. A gente não quer, enquanto sociedade, punir todo mundo, gerar multa por si só. A gente quer que os casos se tornem conhecidos para que ninguém corra esse risco", analisa.

"A primeira coisa que se pensa ao assistir o vídeo é 'e se eles caírem?' O que aconteceria com o país que perdesse o presidente que andou fora do carro? É uma coisa muita grave para um objetivo muito simplório", completa Pedro de Paula.

"O que se espera de quem está em cargos semelhantes é comportamento que possa servir de referência e que saibam as leis do país que administram", diz Ailton Brasiliense, presidente da Associação Nacional de Transportes Públicos.

"Coloca em risco as pessoas e ocupantes do veículo. Da mesma forma que já andou de moto com viseira levantada, toda vez que ele se apresenta em público é contrariando a lei. É um estímulo que ele faz a um assunto tão grave, já que nosso país sofre com pandemia de acidentes de trânsito que sufocam o SUS, o exemplo dele é mau, infelizmente", afirma Mauricio Januzzi, advogado especialista em direito viário.

"É pior que o caso do capacete de moto. Desta vez é grave e flerta com crime de trânsito", conclui.

Em abril de 2019, ele deu volta de moto por Guarujá (SP) e infringiu leis de trânsito ao pilotar com capacete apoiado na testa.

A Prefeitura de Macapá não respondeu se multará algum dos envolvidos. Ex-PT e PSOL, o prefeito Clécio Luis (sem partido) deixou a Rede para apoiar Josiel Alcolumbre (DEM) como sucessor.

Uma das possibilidades levantadas por políticos da região é a de que ele concorrerá ao governo do estado em 2022. No sábado (21), foi ao aeroporto recepcionar Bolsonaro.

A coluna telefonou e enviou mensagens ao prefeito Clécio diversas vezes, mas ele não respondeu. Selma Miranda, diretora-presidente da Companhia de Trânsito, disse que não havia visto o vídeo que mostra as infrações. Depois de dizer que mandaria posicionamento, afirmou que a resposta estava em revisão. Por fim, não enviou posição nem respondeu se o episódio seria investigado ou se alguém seria multado.

Ex-PT e PSOL, Clécio Luis deixou a Rede para apoiar Josiel Alcolumbre (DEM), irmão do presidente do Senado Davi Alcolumbre (DEM) como seu sucessor.

Uma das possibilidades levantadas por políticos da região é a de que ele concorrerá ao governo do estado em 2022, e então contará com apoio dos irmãos Alcolumbre. No sábado (21), foi ao aeroporto recepcionar Bolsonaro.

Fonte: Folha de São Paulo