Política

Terceira dose da vacina deve começar por profissionais de saúde e idosos, diz ministro





Orientação ainda depende de estudos e deverá valer para todos os imunizantes contra a Covid

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, disse nesta quarta-feira (18) que a aplicação da terceira dose para reforçar a imunização contra a Covid-19 deve começar por profissionais de saúde e idosos.

"A gente vai começar por grupos prioritários. De novo, profissionais de saúde, os mais idosos", disse Queiroga à imprensa.

A ideia é reforçar a imunização diante do avanço de variantes do vírus, como a delta. "Estamos planejando aqui, para que no momento em que tivermos todos os dados científicos, número de doses suficientes, já orientar o reforço dessa vacina, isso em relação a todos os imunizantes disponíveis", afirmou o ministro.

Queiroga anunciou no fim de julho que a pasta encomendou estudo para avaliar a necessidade de dose de reforço para pessoas que receberam a Coronavac. Ele disse nesta quarta-feira que a pasta mirou o imunizante desenvolvido pelo laboratório chinês Sinovac e produzido no Brasil pelo Butantan porque já há estudos sobre a terceira aplicação para outros imunizantes.

"Ainda não há evidência científica sólida de como deve ser. Se deve ser o mesmo imunizante, outro, e qual o momento de fazer isso", afirmou o ministro.

"Pessoas com duas doses podem adoecer, inclusive em formas graves, mas se compararmos os que se vacinaram com duas doses e aqueles que não receberam a vacina, o benefício da imunização é incontestes", declarou Queiroga.

Especialistas divergem sobre aplicar uma dose de reforço em pessoas já imunizadas ou então focar quem ainda não recebeu a vacina.

Um estudo liderado por Julio Croda, infectologista, pesquisador da Fiocruz e professor da UFMS (Universidade Federal do Mato Grosso do Sul), apontou, com base em dados do mundo real, uma eficácia menor da Coronavac, principalmente entre maiores de 80 anos, o que acaba sendo mais um ponto a se pesar na necessidade de um reforço vacinal.

Um estudo do Reino Unido indicou que os níveis de anticorpos contra a Covid começam a cair algumas semanas após a 2ª dose. Isso não necessariamente significa que a barreira vacinal não esteja ativa, já que o nosso corpo tem outras formas de garantir proteção imune, como pelas células T.

Especialistas afirmam, no entanto, que crianças e adolescentes, apesar de proporcionalmente serem menos afetados em gravidade, também participam da circulação do Sars-CoV-2. Logo, para ajudar a frear a disseminação do vírus, é relevante que essas faixas etárias sejam vacinadas, o que ajuda a atingir os patamares necessários para a imunidade coletiva.

O ministro voltou a afirmar que a pasta deve decidir em setembro se reduz o intervalo entre as doses da Pfizer de cerca de 3 meses para 21 dias, como orienta a bula do imunizante. Neste mês o governo espera ter distribuído doses suficientes para a primeira aplicação em adultos.

O secretário-executivo da Saúde, Rodrigo Cruz, apresentou projeção interna da pasta sobre o ritmo de imunização. Em cenário com redução do intervalo entre as doses da Pfizer e aplicação de cerca de 2,4 milhões de vacinas por dia, a perspectiva é praticamente completar a imunização de adultos com duas doses no fim de outubro.

Queiroga voltou a rebater críticas do governador de São Paulo, João Doria(PSDB), sobre mudança na fórmula de entrega de vacinas.

Doria vem travando uma disputa com o governo federal, afirmando que passou a receber menos doses.

O ministro repetiu que não há injustiças e que São Paulo havia recebido proporcionalmente mais doses que outros estados, por apresentar um número maior de pessoas em grupos prioritários.

Antes, a entrega era baseada no volume de pessoas em grupos prioritários em cada estado. Desde o fim de julho, novo acordo prevê que a distribuição de novas doses ocorra por apenas faixa etária e que haja compensações por doses extras recebidas por alguns estados —como em envio de doses por ações judiciais ou para grupos extras, como população de fronteira.

Queiroga também voltou a afirmar que o governo paulista recebeu doses extras da Coronavac. O Butantan faz entregas diretamente ao estado, ou seja, sem passar pelo Centro de Distribuição do governo federal.

O ministro disse que não houve "má-fé", mas apenas divergências entre o cálculo do ministério e do governo paulista sobre as doses que deveriam ser entregues.

A Saúde chegou a reduzir a entrega de vacinas da Pfizer ao governo paulista para compensar as doses extras do Butantan, mas voltou atrás. Agora, a ordem é compensar com imunizantes do mesmo modelo.

A secretária de Enfrentamento à Covid do Ministério da Saúde, Rosana Leite de Melo, disse que ainda é preciso "descontar" 301,9 mil doses da Coronavac entregues pelo Butantan ao governo paulista.

O ministro disse que a divergência entre o governo paulista e o ministério é "fútil". "São milhares de doses, quando na realidade já distribuímos mais de 200 milhões de vacinas. Ou seja, todo esse questionamento é fútil", declarou.

Fonte: Folha de São Paulo