Política

Eleição de 2022 será com sistema eletrônico, afirma Pacheco





O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), afirmou nesta 6ª feira (6.ago.2021) que as eleições de 2022 serão com o sistema eletrônico de votação. Também afirmou que o voto impresso não deve ser aprovado.

Teremos as eleições de 2022 legítimas e com a capacidade de escolha, por parte da população daqueles que devão ser seus representantes, pelo sistema eletrônico”, disse em entrevista à GloboNews.

Pacheco afirmou que a maior parte dos congressistas compreendem que o sistema eletrônico é confiável. “Eu sinto que a vontade da maioria do Congresso Nacional neste momento é a preservação do sistema eletrônico de votação”, disse.

Para o presidente do Senado, esse tema já está perto de ser deixado para trás.

Na 5ª feira (5.ago), a PEC (Proposta de Emenda à Constituição) do voto impresso foi rejeitada na comissão especial sobre o tema. Por 23 votos a 11, o retorno do voto impresso foi negado. A rejeição, no entanto, não impede que o texto vá ao plenário.

Na manhã desta 6ª feira (6.ago), o líder do governo na Câmara, Ricardo Barros(PP-PR), afirmou que a PEC irá ao plenário da Casa. Afirmou ainda que a “luta continua” pelo “voto auditável”.

O que será analisado no plenário é a proposta inicial de Bia Kicis (PSL-DF). Ela é uma aliada fiel do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), um dos maiores defensores do voto impresso.

Com a derrota na comissão, no entanto, as condições políticas ficam ainda mais difíceis para o projeto. O próprio presidente da Casa, Arthur Lira (PP-AL), já afirmou que a discussão na Câmara é “perda de tempo.

Pacheco também afirmou que com a derrota na comissão especial ele vê poucas chances da proposta passar na Câmara dos Deputados. “A tese do presidente e de muitos de seus apoiadores, parlamentares e da sua base eleitoral, é uma tese que a princípio será vencida. E sendo vencida, todos haverão de respeitar, porque isso é democrático, o resultado das eleições de 2022”.

Bolsonaro já condicionou aceitar os resultados das eleições ao voto impresso. O presidente acusa as urnas eletrônicas de fraude, mesmo sem ter provas.

Pacheco afirmou ainda que proposta do distritão (sistema no qual deputados são eleitos independentemente do desempenho dos partidos) terá o mesmo destino. O distritão tem votos para ser aprovado na comissão especial e muito provavelmente no plenário da Câmara.

Mas, para o presidente do Senado, se a proposta for aprovada na Câmara, não deve passar na Casa Alta. Na 5ª feira (5.ago), a sessão da comissão especial da Câmara sobre o tema foi encerrada sem uma votação.

Fonte: Poder360