Cotidiano

Aquecimento do Ártico pode acentuar eventos climáticos extremos, diz estudo





Eventos climáticos extremos no mundo, como as ondas de calor e as inundações que atingiram a Europa e a China neste mês, podem estar associados ao rápido derretimento de gelo no Ártico, região que está esquentando mais rápido do qualquer outro lugar do planeta. A conclusão é de um relatório do CCAG (Climate Crisis Advisory Group), grupo internacional independente de especialistas sobre o clima, divulgado nesta 5ª feira (29.jul.2021). Leia a íntegra do estudo (3,9 MB).

A pesquisa sugere que o aquecimento do Ártico provoca consequências no clima global, com 1º impacto nos sistema meteorológicos, além do aumento no nível do mar. Esse processo está se intensificando pela rápida e irreversível perda de gelo marinho e pelo derretimento de áreas congeladas da Groenlândia.

Os pesquisadores apontam que é preciso maior agilidade política e comprometimento financeiro para se evitar as consequências das mudanças climáticas. Citam a necessidade de reduzir as emissões de gases do efeito estufa, além de remover esses elementos da atmosfera, a fim de reparar o manto de gelo ártico.

“A ocorrência sistemática de super-extremos em todo o mundo em 2021 não pode ser explicada apenas pelos 1,2°C de aquecimento global que temos até agora —há algo mais em jogo. E o candidato é o aquecimento acelerado e o derretimento do gelo no Ártico”, disse Johan Rockström, diretor do Instituto Potsdam para Pesquisa de Impacto Climático, da Alemanha, e membro do CCAG, em entrevista à Agência Bori.

Nos últimos 30 anos, temperatura na região subiu cerca de 0,81° C por década, o que é mais do que o triplo da média global, de 0,23° C por década. A área do Círculo Ártico teve aumento superior a 3,5° C acima do nível pré-industrial em 2020. Os últimos anos registraram recordes nos locais onde está o permafrost, tipo de solo que está permanentemente congelado.

Em maio, a cidade russa de Nizhnyaya Pesha, na Sibéria, registrou a temperatura de 30°C. O local está dentro do Círculo Polar Ártico e, junto com outras regiões da Europa, registrou temperaturas recordes na primavera de 2021.

A importância de agir em prol da estabilidade do Ártico, segundo os pesquisadores, se deve ao fato de que a região é uma das responsáveis por controlar a temperatura da Terra. O derretimento de gelo contribui para a fragilização dos sistemas de circulação oceânicas.

A desaceleração da Amoc (Circulação Meridional de Capotamento do Atlântico, na sigla em inglês), que carrega água quente da Corrente do Golfo para o Atlântico Norte, foi medida em cerca de 15% devido ao derretimento de gelo. “Isso é sem precedentes pelo menos nos últimos 1.000 anos”, afirmou o estudo.

A diminuição do fluxo oceânico resulta na intensificação de secas na América do Sul, favorecendo incêndios em regiões como a amazônica.

Estudos já mostraram que, se as emissões de gases de efeito estufa continuarem no patamar atual, a temperatura média na América do Sul pode subir até 4ºC até o fim do século, em um cenário mais pessimista, tornando os eventos climáticos extremos – como secas, inundações e incêndios florestais – mais frequentes e intensos na região.

“Os impactos da influência humana sobre o clima em uma região se propagam a outras regiões em função da circulação atmosférica e oceânica. Não atuar para reverter as causas da mudança climática e reduzir seus impactos é uma escolha que implica em prejuízos substanciais para nossa economia e para a segurança da população”, afirmou à Agência Bori Mercedes Bustamante, pesquisadora da UnB e única brasileira integrante do CCAG.

Fonte: Poder360