Política

Randolfe diz que depoimento de Dominguetti foi tentativa de desviar CPI





O vice-presidente da CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Covid no Senado, Randolfe Rodrigues (Rede-AP) que o depoimento do cabo da PM Luiz Paulo Dominguetti Pereira seria “tentativa de desviar” investigação da comissão.

Ele reafirmou acusação de que funcionários do Ministério da Saúde teriam pedido propina para avançar em negociação de compra de vacinas, mas despertou suspeitas sobre sua atuação e da proposta de 400 milhões de doses de vacinas a serem vendidas ao governo.

[Foi] uma tentativa de desviar o rumo dessa comissão parlamentar de inquérito ou, pelo menos, impedir que essa comissão parlamentar de inquérito continuasse na linha das investigações propostas a partir das graves denúncias da última 6ª feira, feita pelos irmãos Miranda. Teve esse evento, tem um evento claro que busca descredenciar, descredibilizar, aqueles testemunhos da última 6ª feira.”

Na data citada por Pacheco (25.jun.2021), o deputado Luis Miranda (DEM-DF) e o irmão, Luis Ricardo Miranda, que é servidor concursado na pasta, falaram à CPI que levaram as suspeitas sobre irregularidades no processo de compra da vacina Covaxin pelo Ministério da Saúde ao conhecimento do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

Dominguetti, por sua vez, foi convocado à CPI depois de dizer, em entrevista ao jornal Folha de S.Paulo, que o ex-diretor do Departamento de Logística do Ministério da Saúde Roberto Ferreira Dias teria pedido propina de US$ 1 por cada uma das 400 milhões de doses de vacina contra a covid-19 que afirma ter tentado vender à pasta em nome da Davati Medical Supply.

Áudio gera suspeitas

Dominguetti afirmou à CPI que o deputado Luis Miranda procurou o representante legal da Davati Medical Supply no Brasil, Cristiano Alberto Hossri Carvalho, para negociar com a empresa a compra de vacinas contra a covid-19.

Miranda negou que o áudio de sua autoria reproduzido pelo cabo da PM tratasse da compra de vacinas contra a covid-19. Ele afirmou que a gravação faz parte de uma conversa com um representante comercial chamado Rafael Alves e registrou a troca de mensagens em cartório. Eis a íntegra.

O congressista insinuou que aliados do governo federal teriam “plantado” o depoente nas investigações, chamando-o de “cavalo de Troia”.

Ele sugeriu que a suposta armação poderia ser obra do chamado “gabinete do ódio“, formado por assessores do Palácio do Planalto, com o objetivo de tirar credibilidade de suas alegações sobre supostas irregularidades no processo de compra da Covaxin pelo Ministério da Saúde.

Ao reproduzir o áudio nesta 5ª feira (1º.jul.2021), Dominguetti informou tê-lo recebido do representante da Davati no Brasil, Cristiano Alberto Hossri Carvalho, e alegou que Miranda estaria tentando intermediar negociações por imunizantes com a empresa a Davati. Pouco depois, o deputado federal entrou no plenário e disse ao presidente da comissão, Omar Aziz (PSD-AM), que a gravação estava fora de contexto e nada tinha a ver com vacinas.

Mais adiante, Aziz anunciou que não iria prendê-lo, mas informou que seria necessário fazer uma acareação de suas alegações com um eventual depoimento de Cristiano Alberto Carvalho, da Davati, e com os supostos participantes do jantar em um restaurante em Brasília em que teria ocorrido o 1º pedido de propina, em 26 de fevereiro.

“A minha avaliação é que em momento algum ele mente, em momento algum ele mente, ele pode ter sim sido usado Cristiano…Cristiano sabe da história, mas não fala. Manda ele falar. Ele fala aquilo que o chefe dele está mandando fazer. A outra questão é que quem passa pra ele o áudio pela metade pra induzir que o deputado Miranda”, declarou Aziz depois da reunião.

Fonte: Poder360