Política

Mais de 50 candidatos não terão votos computados no Amapá





 

Três partidos foram indeferidos no Amapá e, portanto, nomes de candidatos constarão nas urnas eletrônicas, mas os votos não serão contabilizados.

Redação

Candidatos a deputado federal, estadual, senador e governador pelo Partido dos Trabalhadores (PT), Partido Popular Socialista (PPS) e Patriota não poderão concorrer nas eleições deste ano por falta de prestação de contas de seus diretórios regionais, segundo a decisão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

A decisão do TSE acata as decisões dos tribunais eleitorais dos Estados que indeferiram os pedidos de registro de candidaturas dos partidos e seus filiados.

Em nota, o Tribunal Regional Eleitoral do Amapá (TRE-AP) explicou que por questão de ordem e da necessidade de se fazer constar no Sistema de Gerenciamento de Totalização dos Votos, de que os votos atribuídos aos candidatos ou às legendas dos partidos excluídos sejam contabilizados como nulos.

“O efeito de tal decisão é que os votos atribuídos aos partidos excluídos não serão aproveitados pela coligação, nem serão contados para fins de cálculos do quociente eleitoral, sendo nulos, e os respectivos candidatos, por ocasião da totalização de votos, sendo divulgados como ‘zero votos’”.

Desta forma, os nomes dos candidatos continuarão nas urnas, mas os votos a eles atribuídos, quando totalizados, não serão contabilizados. Isto não implica dizer que tais candidatos estão fora da disputa, mas apenas que os votos serão computados à parte, cuja validade dos mesmos ficará condicionada ao trânsito em julgado da decisão do TSE.

Confira a lista de candidatos dos partidos que foram indeferidos:

PATRIOTA

Deputados federais

  • Promotor Moisés

Deputados estaduais

  • Francisco Dju
  • Ivo Ben
  • Júlio César
  • Major Padilha
  • Pablo Teixeira
  • Sgt Paulo André

PARTIDO POPULAR SOCIALISTA (PPS)

Senador

  • Jorge Amanajás

Deputados Federais

  • Allan Sales

Deputados Estaduais

  • Ademir Pelaes
  • Arnoudo Teixeira do Amapá
  • Bilu Monteiro
  • Bira Tolosa
  • Carlão o carioca
  • Carol Rocha
  • Elza Lopes
  • Jack JK
  • Janete Tavares
  • Joberson “JB”
  • Meire Mendonça
  • Neto JN
  • Wagner Brito

PARTIDO DOS TRABALHADORES (PT)

Vice-governador

  • Professor Marcos Roberto

Deputados Federais

  • Dalva Figueiredo
  • Dora Nascimento
  • Errolflynn Paixão
  • Leide Ferreira
  • Professor Jucicleber
  • Rocha do Sucatão
  • Rosa Duarte
  • Socorro Nogueira

Deputados Estaduais

  • Beane Gomes
  • Benilson Brito
  • Braga do PT
  • Daimini
  • Edna Melo
  • Evaldo Monteiro
  • Franco Sá
  • Issac Silva
  • Isabel Nogueira
  • Isa Nascimento
  • Kátia Setubal
  • Marcelão do PT
  • Plácido Vieira
  • Professora Ivaneia
  • Professora Lúcia Banha
  • Professor Otávio
  • Rabelo
  • Rubem Júnior
  • Sarney Pinheiro
  • Sebastião Leitão
  • Tio Gigante

Ainda, no PT, um 1º suplente e dois 2º suplente não contabilizarão votos, são eles: Nunes, Ivanildo Nunes e Sandra Almeida.

Situação do PSB

Com o indeferimento do PT, o Partido Socialista Brasileiro (PSB) tem chapa prejudicada. Isto porquê o PT compõe a sua coligação e possui candidatos a vice-governador e suplentes que não podem ser eleitos.

Desta forma, a chapa poderá ser votada, mas os votos não serão computados no sistema do Tribunal Regional Eleitoral (TRE).  Segundo a procuradora eleitoral Nathália Mariel, um partido de coligação indeferido fora do prazo de substituição, encerrado em 17 de setembro, poderá penalizar a chapa inteira.

“Caindo um partido da coligação, fora do prazo de substituição, cai a chapa inteira. A posição da legislação é essa não havendo mais prazo hábil para a substituição (do nome de vice) e tendo sido confirmada a retirada de um partido caem todos os candidatos vinculados aquele partido. Os votos serão engavetados. Quando for divulgado o resultado a informação será zero. Essa divulgação só irá acontecer se conseguirem reverter por meio de recurso no STF, em último caso”, acrescentou.

Neste sentido, caberá ao TRE decidir se João Capiberibe, em caso de vitória, poderá ser diplomado. A mesma situação cabe para Janete Capiberibe, cujo seus dois suplentes são do PT.

Até o momento, somente a candidatura de Camilo Capiberibe para deputado federal que não sofrerá consequências, assim como as demais que não são do PT.

Entretanto, sem o PT na coligação, o PSB terá a obrigação de atingir 55 mil votos, que é o coeficiente eleitoral para eleger um deputado federal.

Em nota, o PSB esclareceu que a decisão do TSE sobre a participação do PT nas eleições ainda cabe recurso e que, a campanha segue em frente até este domingo (07), quando os eleitores decidirão seus candidatos.

Confira a nota do TRE