Esporte

Verstappen vence GP de Mônaco e vira líder em dia de caos para Mercedes





O GP de Mônaco de Fórmula 1, realizado na manhã de hoje, acabou com vitória tranquila de Max Verstappen (Red Bull). De quebra, o jovem de 23 anos ultrapassou Lewis Hamilton na classificação e passou a liderar, pela 1ª vez na carreira, o campeonato de pilotos: 105 pontos contra 101 do britânico.

Carlos Sainz (Ferrari) e Lando Norris (McLaren) fecharam o pódio da corrida, seguidos de Sergio Pérez, também da Red Bull.

O dia foi de caos para a Mercedes, que viu um apagado Lewis Hamilton fechar a prova apenas em 7° e Valteri Bottas abandonar por problemas na remoção de uma roda de seu carro. Com o desempenho abaixo da média de seus pilotos, a escuderia alemã perdeu a 1ª posição no campeonato de construtores para a equipe de Verstappen.

UOL Esporte fez um resumo da tradicional corrida de Mônaco. Confira:

Largada "comportada"

Antes da corrida, a Ferrari informou que Charles Leclerc, dono da pole positionnão estava apto para correr. Isso porque o carro do monegasco sofreu problemas após a batida no treino classificatório de ontem, fato que impediu a sua participação na prova.

Sem Leclerc, o espaço destinado ao líder, localizado na parte de dentro da 1ª curva, ficou vago. Coube a Verstappen, portanto, colocar o carro ligeiramente na diagonal antes das luzes vermelhas se apagarem.

Assim que foi dada a largada, o jovem da Red Bull fechou as portas de Bottas e se manteve na 1ª posição. Sem batidas, o destaque do começo da prova ficou com Fernando Alonso, que ultrapassou dois adversários.

Em uma pista fechada e estreita, grandes ultrapassagens não foram vistas até a primeira parada nos boxes.

Não é dia da Mercedes

Hamilton foi o primeiro piloto do pelotão da frente a fazer o seu pit stop, já na volta 30. O britânico, que estava em 6°, surpreendeu ao colocar pneus duros para a sequência da corrida, mas não conseguiu imprimir um bom ritmo e acabou sendo superado por Sebastian Vettel e Pierre Gasly, que foram mais rápidos na parada.

"O que está acontecendo?", perguntou o heptacampeão à equipe, visivelmente irritado, após ver os rivais voltarem dos boxes na sua frente.

Duas voltas depois, foi a vez de Bottas ter problemas. Isso porque os mecânicos da Mercedes tiveram dificuldades para a remoção de uma porca na roda dianteira do carro do finlandês.

Diante de segundos preciosos perdidos, a equipe optou por tirar o seu piloto da corrida.

Red Bull crava estratégia

Quem se deu bem na estratégia de pit stop foi a Red Bull. Pérez adiou sua parada por algumas voltas e, sem trânsito, aproveitou para engatilhar as voltas mais rápidas do GP.

A aposta deu certo: ao trocar seus pneus, o mexicano voltou na 4ª posição, superando Gasly e Hamilton.

Final tranquilo

Sem grandes emoções, a parte final da corrida teve Hamilton aproveitando a grande vantagem para o 8° colocado para apostar: o britânico voltou a usar pneus macios para garantir a volta mais rápida da corrida e fazer o ponto extra.

Deu certo: logo depois do pit stop, o piloto da Mercedes conseguiu cumprir com o seu objetivo.

Soberano!

Sereno, Verstappen conduziu a Red Bull com tranquilidade - e velocidade. O jovem acabou a prova mais de nove segundos à frente de Sainz.

Fonte: UOL