Política

Após especulações, PDT diz que formação da chapa para governador está em diálogo





 

Em nota, partido frisa que decisão sobre chapa deve ser anunciada na convenção partidária, previsto para ocorrer no dia 4 de agosto.

 

Especulações sobre quem deverá apresentar-se como vice-governador ao lado de Waldez Góes, pré-candidato à reeleição, surgiram ao longo desta semana. Muitos nomes já foram cogitados entre os líderes políticos. Entretanto, o Partido Democrático Trabalhista (PDT), informou, através de nota, que ainda não há definição da chapa, e que membros da diretoria estão em um amplo processo de diálogo para definir a composição.

A nota foi divulgada na manhã de quinta-feira (26). No texto, a diretoria do PDT afirma que lideranças que constroem a governabilidade estão se reunindo para definir a composição da chapa e que até o momento nenhum nome foi definido para vice-governador do Amapá.

Segundo o PDT, as definições em processo de construção estão dentro dos prazos permitidos pela Legislação Eleitoral. A previsão é que o anúncio da definição da chapa seja feito no dia 4 de agosto, data limite para as convenções partidárias. Na ocasião, serão apresentadas composição das chapas proporcionais e majoritárias que concorrerão às eleições deste ano.

O atual vice-governador, Papaléo Paes (PSD), informou, a um programa de rádio local, que não tinha certeza se continuaria como vice de Waldez Góes, tendo em vista que, foi solicitado a ele um prazo de uma semana para definir essa questão. Nos bastidores da política, alguns nomes estão sendo cogitados para disputar as eleições junto com o atual governador, entre eles estão Aline Gurgel, professora Marcivânia e o empresário Jaime Nunes.

Etapas para as Eleições

As convenções partidárias iniciaram no último dia 20. O momento serve para a definição de candidaturas e alianças para as Eleições 2018, que devem ser feitas até o dia 5 de agosto. Em seguida, os partidos e coligações terão até 15 de agosto para apresentarem junto à Justiça Eleitoral o requerimento de registro de candidaturas.

Em caso de vagas remanescentes para as eleições proporcionais, os partidos terão até 7 de setembro para preenchê-las. É necessário observar, ainda, os percentuais mínimo e máximo para candidaturas de cada sexo.

O período para realização de propaganda eleitoral inicia, também, no dia 16 agosto. Podem ser realizados comícios, carreatas, distribuição de material gráfico e propaganda não paga na Internet, etc. A propaganda eleitoral gratuita no rádio e na televisão, por sua vez, teve o período reduzido de 45 para 35 dias. O início será em 31 de agosto e término no dia 4 de outubro.

Em relação aos debates no rádio e na televisão, só poderão ser realizados até 4 de outubro, admitida a extensão do debate cuja transmissão se inicie nesta data e se estenda até as 7 horas do dia 5. No dia 4 também termina a propaganda política mediante reuniões públicas ou promoção de comícios, com exceção dos que forem encerramento de campanha, que poderão ser prorrogados por mais duas horas.

A véspera do pleito é a data-limite para que seja feita a distribuição de material gráfico e a promoção de caminhada, carreata, passeata ou carro de som que transite pela cidade divulgando jingles ou mensagens de candidatos. 6 de outubro também é o último dia para o TSE divulgar comunicados, boletins e instruções ao eleitorado, via emissoras de rádio e de televisão, podendo ceder parte desse tempo para utilização dos TREs.

A primeira parcial da prestação de contas deverá ser enviada à Justiça Eleitoral a partir do dia 9 de setembro. Nela, deve constar o registro da movimentação financeira ou estimável em dinheiro ocorrida desde o início da campanha até o dia 8 de setembro. Além disso, nenhum candidato poderá ser detido ou preso, salvo em flagrante delito, a partir de 22 de setembro. O mesmo vale para o eleitor a partir do dia 2 de outubro, acrescido de exceção por sentença criminal condenatória por crime inafiançável, ou por desrespeito a salvo-conduto.

Redação